[37]
3381-4768

SEU CORAÇÃO

O infarto do miocÁrdio se dÁ quando o suprimento de sangue a uma parte do mÚsculo cardÍaco É reduzido ou cortado totalmente. Isso acontece quando uma artéria coronÁria estÁ contraÍda ou obstruÍda, parcial ou totalmente.

Com a supressão total ou parcial da oferta de sangue ao músculo cardíaco, ele sofre uma injúria irreversível e, parando de funcionar, o que pode levar à morte súbita, morte tardia ou insuficiência cardíaca com conseqüências desde severas limitações da atividade física até a completa recuperação. O infarto do miocárdio é a causa mais frequente de morte nos Estados Unidos, infelizmente no Brasil, os números também têm aumentado. O infarto do miocárdio pode também acontecer em pessoas que têm as artérias coronárias normais.

O prognóstico quanto à qualidade de vida e a duração da vida após um infarto do miocárdio depende da gravidade, da extensão do infarto e de outras doenças que acompanham o paciente. Cerca de 1 milhão e meio de pessoas sofrem um infarto nos Estados Unidos por ano, por aqui a situação também não é diferente. Nos últimos anos, tem aumentado a incidência de infartos em mulheres, por outro lado a sobrevida tem aumentado devido à mais eficazes meios de tratamento. A curto prazo, o prognóstico é pior em pessoas idosas, diabéticos, portadores de insuficiência cardíaca e portadores de insuficiência renal. A causa mais freqüente de morte em infartados é o choque que acontece em 7% dos casos. A incidência de choque não tem diminuído nos últimos anos. O bloqueio aurículo ventricular é freqüente e pode ser tratado com marcapassos. A longo prazo, o prognóstico, tanto para a duração quanto para a qualidade de vida, também dependem da severidade do infarto e das medidas preventivas tomadas. Não existem testes para prever quando um novo ataque vai ocorrer. Admite-se que até 30% de novos ataques fatais e de cirurgias cardíacas podem ser evitadas com a adoção de um estilo de vida saudável e adesão ao tratamento. Os médicos sabem que 66% dos pacientes não mudam o seu estilo de vida e não seguem as prescrições e conselhos médicos para evitar um novo infarto.